quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Curso de Guitarra Brasil On-line - Escalas e modos gregos

http://www.artmaiashop.com
Introdução

Para completo entendimento desse assunto é necessário que os desenhos dos Modos Gregos e Pentatônicas, estejam bem decorados, por isso, treine bastante as escalas até que estejam perfeitamente memorizadas. Nessa seção iremos abordar sobre vários assuntos relacionados às escalas, tentarei descomplicar o estudo, você aprenderá a entender as escalas e aplica-las baseando-se no campo harmônico. Darei varias dicas importantes, assim como explicações esclarecedoras, mas vale salientar que é muito importante a completa memorização dos desenhos, pois agora estamos entrando em um estudo mais avançado.

Explicação

É muito importante antes de nos aprofundarmos no assunto, esclarecermos certos pontos relacionados às escalas. Os Modos Gregos são compostos de 5 desenhos, mas na verdade são 7 escalas, pois Lôcrio/Jônio e Frígio/Lídio na verdade são 2 escalas "embutidas" em 1 desenho.

As escalas estão escritas no que eu chamo de posição natural, onde você estará tocando somente notas naturais, ou seja, sem “Sustenidos’ e “Bemóis”, essa vai ser nossa área de estudo”. Cada escala corresponde a uma nota tônica, vamos a elas:

MIXOLÍDIO: G
EÓLIA: A
LÔCRIO: B
JÔNIO: C
DÓRICO: D
FRÍGIO: E
LÍDIO: F

Veja porquê Lôcrio/Jônio e Frígio/Lídio são formados por um desenho mas na verdade são, na teoria, escalas diferentes, Lôcrio/Jônio são correspondentes as escalas de B/C, notas que você anda ½ tom, assim como o FrÍgio/Lídio correspondem a E/F notas que também andam ½ tom. Agora vamos descomplicar o pensamento em relação as escalas! Todos os modos são formados pelas mesmas notas, sendo, por exemplo, a escala Mixolidio formada pelas notas:

G/A/B/C/D/E/F/G/

E a Eólia formada pelas notas:

A/B/C/D/E/F/G/A

E assim por diante, as únicas coisas que mudam de uma escala para outra são: o desenho, e a nota de saída da escala, sendo o desenvolvimento dela igual em todas as outras escalas. Se todas as escalas têm as mesmas notas, elas seriam iguais então? Na teoria não, mas na pratica sim! Todas elas têm a mesma importância, em um solo todas elas podem ser encaixadas perfeitamente, porque como vimos, em matéria de notas, não há diferença entre elas.

É muito importante deixar isso bem claro, porque muitos alunos tinham uma visão burocrática da escala, por exemplo, sobre escala maior e escala menor. Na verdade, na pratica não existe escala maior ou menor, ora todas as escalas são iguais, porque haveria de existir escala maior ou menor, o quê na verdade seria correto dizer é que existe escala com desenho maior e desenho menor.
Note que todas os desenhos se encaixam entre si, a ideia seria; onde termina uma escala já é o começo da outra, então elas têm uma sequencia lógica, o que é claro, facilita o estudo de visualização. No assunto campo harmônico foi dito que escalas e acordes estão juntos, embutidos em uma coisa só, por exemplo, a escala Eólia começa em A; que acorde, maior ou menor casaria com a escala?

A ou Am? Visualizando, você verá que é o Am porque não há "sustenidos" nesse acorde, portanto a Eólia têm um desenho menor, mas isso não quer dizer que é uma escala menor porque na Jônio por exemplo, se encaixa um acorde de C, então ela seria uma escala com desenho maior, mas na Eólia, assim como na Jônio, nós temos as mesmas notas, então não há diferença em nenhuma das duas, você poderá usar qualquer escala, em qualquer base, é claro com certos critérios que serão citados aqui. No campo harmônico os graus são relacionados às escalas sendo:

Primeiro grau: Jônio
Segundo grau: Dórico
Terceiro grau: Frígio
Quarto grau: Lídio
Quinto grau: Mixolidio
Sexto grau: Eólia
Sétimo grau: Lôcrio

Para que você possa entender melhor o assunto explicado procure estudar mais sobre Campo Harmônico. Agora você tem que sempre pensar nas escalas como uma unidade, temos os desenhos, mas todo o bloco é importante. O que vai acontecer muito com escalas é a mudança de região, mas tudo é feito matematicamente. Temos o campo harmônico original, onde seria a área de estudo e onde você não encontrará sustenidos, mas veja por exemplo, o campo harmônico de G.

G é claro está no primeiro grau que é da escala Jônio, então faça a escala Jônio sair da nota G na 6ª corda, e pronto você fez a transposição correta! E as outras escalas vão andar proporcionalmente. No campo já estarão escritas as posições, mas você pode fazer isso usando a lógica, onde termina uma, começa a outra e assim por diante! As escalas não mudam de ordem, elas mudam de região, tudo matematicamente. Sempre depois da Jônio virá a Dórico e depois da Dórico, Frígio e assim por diante! Por isso é muito importante decorar as escalas muito bem, para ter opções de vários desenhos. As trilhas, por exemplo, são nada mais nada menos que formas prontas de duas ou mais escalas juntas e são importantes para conhecer novas formas.

As Pentatônicas são um resumo dos Modos Gregos, "Penta" significa 5, elas são as 5 tônicas dos Modos Gregos, e cada Modo Grego têm a sua Pentatônica correspondente, e só dar uma olhada nos desenhos, e para usá-las é a mesma coisa, elas acompanham os Modos. Existe um truque para solar em "Blues", que seria o seguinte: o "Blues" tem uma sonoridade muito característica, para seguir adiante temos que entender a sonoridade, o quê torna o "Blues" tão peculiar.

O "Blues" basicamente é construído por acordes maiores, mais especificamente é só pegar os acordes do Primeiro/Quarto/Quinto graus, esses graus são todos maiores, e em qualquer campo harmônico tocando essa sequencia você terá uma "cadência Blues"!

A particularidade do "Blues" vem de um efeito harmônico muito interessante, o "Blues" então é criado basicamente por acordes maiores, o quê caracteriza se um acorde é maior ou menor (consulte formação de acordes) seria o intervalo de terça, e temos a terça maior para acordes maiores e a terça menor para acordes menores, para ter um efeito "Blues", é tocado junto com o acorde maior a terça menor desse acorde, por exemplo, vamos pegar a tônica de um "Blues" em um campo harmônico natural, o de estudo, a tônica do "Blues" estaria no primeiro grau, C, o acorde de C (Dó maior) é formado pela terça maior que é a nota E, toque junto a nota Eb, que é a terça menor, pronto esse é o efeito "Blues"( Blue Note). Note que na Penta Blues, a nota a mais que ela tem é exatamente o Eb!!

Mas ainda não é só isso, o que os guitarristas de "Blues" fazem é mais radical; por exemplo: um "Blues" no campo harmônico natural seria basicamente C/F/G, você de cara pode solar em, Modos gregos, Pentatônicas e Penta blues na posição original sem problemas, vai ficar bem legal.

Mas para ter o efeito "Blues" realmente, pegue somente a Pentâtonica e a Penta blues e faça andarem 1 tom e ½ à frente da posição original! Agora sim você estará solando com a sonoridade "Blues"! Mas o quê foi feito na verdade?

A idéia "Blues" é você tocar em cima de acordes maiores a terça menor da tônica do "Blues" certo? Agora vejamos, o tom do "Blues" natural é C, que escala faz parte desse tom? A escala Jônio, que é claro uma escala com desenho maior, andando todos os desenhos 1 tom e ½ a frente, que escala está agora em C? Seria a Eólia que é uma escala com desenho menor.Ou seja a idéia básica, que era tocar em cima de um acorde maior a terça menor, se estendeu para onde havia uma escala com desenho maior para agora uma com desenho menor,  não é demais?

O quê é muito importante dizer é que quando você desloca as escalas 1 tom e ½ à frente, só use Pentas e Penta blues e esse efeito é só para "Blues", ou para músicas que usem o primeiro, quarto e quinto graus do campo harmônico. Então veja que linha de raciocínio simples que você pode seguir agora! Imagine um "Blues" em E. A tônica de um "Blues" é sempre um acorde do primeiro grau. ENTÃO ESTE SERIA O CAMPO HARMÔNICO DE E. Um Blues nessa tonalidade seria formado basicamente por, E/A/B, (primeiro grau/quarto e quinto) a tônica do "Blues" é sempre o acorde do primeiro grau.

Você poderia usar a Jônio saindo de E, Modos gregos /Pentatônicas, e poderia também usar a Penta da Eólia em E, o que daria o efeito "Blues"! É o mesmo raciocínio para todos os campos! LEMBRANDO QUE, QUANDO VOCÊ PEGA A PENTA DA EÓLIA E ANDA 1TOM E ½ A FRENTE, TODOS OS OUTROS DESENHOS ANDARAM PROPORCIONALMENTE.  A IDEIA DE PEGAR A EÓLIA E SÓ PARA FACILITAR O RACIOCINIO.

Conclusão

Todos os desenhos de escalas são importantes. As escalas são formadas pelas mesmas notas, sendo a Jônio, Lídio e Mixolídio, desenhos "maiores" e, a Eólia, Dórico, Frígio, desenhos "menores". Lócrio desenho meio diminuto ou 5+. Efeito "Blues" é conseguido pelo deslocamento das Pentatônicas, Penta blues 1 tom e ½ a frente. Faça um estudo para decorar seqüências de acordes de diversos campos harmônicos, assim você poderá identificar mais rapidamente que campo está sendo usado por determinada musica.



Curso de Guitarra Brasil On-line - Estilos musicais

http://www.artmaiashop.com
Compre o instrumento certo para o estilo de música que pretende tocar. Os tipos de guitarras e violões usados com mais frequência em cada gênero musical são:

Rock, pop, metal: guitarra elétrica.
Rock acústico: violão de cordas de aço.
Blues: guitarras semiacústica e elétrica.
Country: guitarra, violão de cordas de aço.
Folk: violão com cordas de nylon ou aço.
Jazz: violão de cordas de aço e guitarra semiacústica.
MPB e Bossa Nova: violão com cordas de nylon.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Curso de Guitarra Brasil On-line - Guitarras para guitarristas canhotos

http://www.artmaiashop.com

O guitarrista canhoto tem mais um dilema a enfrentar. É melhor comprar um instrumento para canhotos desde o início, ou simplesmente aprender a tocar com a mão direita e desfrutar da variedade maior de instrumentos musicais disponíveis para destros? Como a mão que pressiona as cordas no braço da guitarra é muito importante (e essa seria a mão direita de um guitarrista canhoto) muitos canhotos simplesmente optam por tocar uma guitarra para destros. Afinal, se não existe, por exemplo, um piano para canhotos, porque seria tão ruim tocar uma guitarra para destros? Só você pode responder a essa pergunta. No entanto, certamente você deveria experimentar algumas guitarras para destros e para canhotos em alguma loja de instrumentos antes de tomar sua decisão. Não se preocupe se você ainda não consegue tocar nada; sente-se com o instrumento e toque um par de cordas soltas. Se você sentir que a guitarra para canhotos é mais natural de segurar, então siga o seu instinto. 

http://www.artmaiashop.com


Adaptando uma guitarra para destros.

Jimi Hendrix imortalizou a imagem de uma guitarra para destros de cabeça para baixo com as cordas reorganizadas, mas isso pode trazer diversos problemas de entonação e afinação. O corte do corpo de uma guitarra elétrica também estará do lado errado do braço, tornando o acesso as notas altas do braço mais difícil.
Há também alguns guitarristas (geralmente autodidatas) que aprendem tocar guitarra para destros virada de cabeça para baixo sem reordenar as cordas. Embora essa seja a opção menos recomendada para guitarristas canhotos, serve para ilustrar que não há regras rígidas.
No longo prazo, pode ser muito menos problemático comprar uma guitarra para canhotos, todos os componentes-chave (ou seja, a ponte, o tensor, o corpo e o braço) já estão invertidos para garantir que o instrumento seja confortável para tocar e que permanecerá afinado. 

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Técnicas de Guitarra - O Vibrato

http://www.artmaiashop.com

O que é?

O Vibrato é uma das técnicas básicas da guitarra, ele serve para dar mais intensidade a qualquer nota tocada na guitarra, principalmente em solos. Ele é utilizado em todos os estilos de música, desde o jazz até o metal.

Como se faz?

O vibrato é composto por sucessivos mini-bends realizados em torno de uma determinada nota. Ele pode ser executado de duas formas. Na primeira você faz movimentos curtos com o dedo que está segurando a nota, para cima e para baixo. Na segunda, você mantém esse dedo fixo e gira o pulso, dessa forma o dedo vibra sem você precisar movimentá-lo. Para conseguir um vibrato suave, pratique devagar no início. Experimente o vibrato em seus solos tocando com e sem distorção. O vibrato também é uma ótima técnica para controlar o feedback da guitarra, quando ela está com muita distorção e sobrando microfonia. Dá um ótimo efeito!

Quem Faz?

Todo mundo usa o vibrato, mas para entender bem como ele pode mudar uma música, ouça Summer Song, de Joe Satriani, que é um mestre do vibrato. Outro guitarrista conhecido por seu vibrato e um incrível feeling ao solar é David Gilmour, do Pink Floyd.

Fonte [guitarcoast]
 

terça-feira, 28 de junho de 2016

Principais Tipos de Bend

http://www.artmaiashop.com
Bend - O bend simples consiste em levantar ou abaixar a corda partindo de uma nota para atingir o som de outra.
 
Bend - Release - É o tipo de bend no qual após a chegada na nota desejada você volta à nota de origem.

Pré-Bend - Também conhecido como Reverse Bend, consiste em puxar a corda e só depois palhetar, dando a impressão de um bend ao contrário, como se ele fosse do agudo para o grave. É importante o domínio dos bends básicos para utilizarmos o Pré-Bend, porque você antes de tocar já tem que saber o quanto vai levantar.

Bend em Uníssono - Esse é um tipo de bend muito usado. Consiste em dar o bend junto com outra nota em uma corda diferente e afinar o bend de acordo com a nota mais aguda, até chegar na igualdade dos sons, uníssonos.
 
Bend Duplo - O bend duplo dá uma temperada em qualquer solo, fazendo com que o mesmo fique com uma pegada "animal". Consiste em esticar duas cordas ao mesmo tempo.
http://www.artmaiashop.com 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Curso de Guitarra Brasil On-line - A arte e a técnica do bend

http://www.artmaiashop.com
  O que é um bend? Se você não sabe, com certeza já ouviu falar. Bend é uma técnica no qual você levanta ou abaixo a corda do instrumento para chegar em outra nota. Quando curvamos a corda, a nota que era tocada tem sua afinação mudada, elevada a uma nota mais aguda. Você pode tocar bends de ¼, ½, 1, 1 ½, 2 tons, o quanto você e principalmente suas cordas agüentarem.
  Essa técnica é muito usada na guitarra moderna, pois dá ao guitarrista um caminho adicional para expressar suas idéias. Sem a habilidade para conseguir essa textura mais ligada do bend, nosso instrumento passa a reagir de forma mais estática, como se fosse um piano. Por isso existe no meio da guitarra, a expressão solo "pianístico", ou seja, o guitarrista tocou o solo sem tocar uma técnica que diferencie instrumentos de cordas com os de teclas, ele só tocou as notas sem utilizar bend, tapping, hammer-on, pull-offs, alavancadas, etc.
Abaixo você pode ver a utilização dessa técnica:
http://www.artmaiashop.com


Para um bom bend, são necessárias três coisas: limpeza, afinação e segurança. Afinação para que a nota que você alcançar utilizando o bend afine com o acorde tocado na harmonia. Os grandes mestres dessa técnica são conhecidos por suas afinações precisas, independente de velocidade ou região do braço da guitarra, mas isso leva um pouco de tempo para seu ouvido começar a perceber quando está desafinado e quando não. Limpeza para que você não toque outras cordas ao tocar um bend, isso faz com que a nota desejada fique sem definição. Pode se dizer que afinação e limpeza estão diretamente ligadas à segurança que você tem ao tocar um bend. Um bend tímido geralmente desafina e sai meio sujo, então, agarre as cordas e levante com toda certeza do mundo.

http://www.artmaiashop.com

Em sua execução são importantes alguns conceitos básicos. Primeiro, para executar um bend, é necessário colocarmos o polegar em cima do braço, nos ajudando a fazer uma alavanca para levantar a corda. Dependendo do dedo com que você fará o bend sua forma de fazê-lo será diferente. Sempre costumamos "ajudar" o dedo que está levantando a nota com os demais atrás, por exemplo, se estamos levantando a corda com o dedo três, devemos colocar o dedo 2 e o dedo 1, cada um em uma casa anterior a casa onde foi executado o bend. Com o dedo 4, atrás teremos dedo 3, 2 e 1. Com o 2, o dedo 1.
É comum também deixar o dedo 1 levantado verticalmente as cordas, isso ajuda na limpeza, abafando as cordas indesejadas. Para fazer um bend com o dedo 1, é necessário abusar ainda mais do polegar em cima do braço do instrumento, porque ele vai dar o apoio necessário para você executar o bend.




segunda-feira, 11 de abril de 2016

Curso Completo de Violão e Guitarra - Versão 2016

http://www.artmaiashop.com


 APRENDA A TOCAR VIOLÃO E GUITARRA DE MODO RÁPIDO E SEM COMPLICAÇÕES, ESTUDANDO EM CASA NAS HORAS VAGAS!

 CURSO COM SUPORTE ONLINE, CARTEIRA DE ESTUDANTE E CERTIFICADO DE CONCLUSÃO


Você quer fazer um curso de violão e aprender rapidamente, mas não tem tempo para frequentar uma escola de música? Você procura um curso de guitarra sem aquelas teorias cansativas e que lhe ensine a tocar sem complicações? Então, você precisa conhecer o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA ARTMAIA, que é sucesso de vendas no Brasil e na Europa e está disponível em nosso site www.artmaiashop.com.

http://www.artmaiashop.com

O CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA da ArtMaia é sem dúvida o maior e melhor material de estudos musicais já disponibilizados no Brasil. O Curso foi elaborado para oferecer todas as informações necessárias passo a passo para quem está iniciando, ou mesmo para quem já toca um pouco e quer aprimorar os seus conhecimentos. São aulas teóricas e práticas, explicadas através de textos leves e detalhados, fotos e gráficos coloridos exclusivos divididos em 10 livros digitais com mais de 850 páginas e você ainda conta com o suporte do PROFESSOR ONLINE para esclarecer todas as suas dúvidas. Você estuda nas horas vagas, e no final do curso após enviar a sua avaliação geral receberá o CERTIFICADO DE CONCLUSÃO atestando que você concluiu os seus estudos com sucesso.
Adquirindo o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA você receberá o seguinte material de estudos juntamente com o manual do estudante:
CURSO DE VIOLÃO E GUITARRA (7 módulos em formato E-books com 370 páginas coloridas, com aulas teóricas e práticas, exercícios, testes e gabaritos para correção ) – Nível Básico
CURSO DE VIOLÃO (1 Módulo com 285 páginas coloridas, contendo todas as informações e aulas necessárias para você aprender a tocar rapidamente) – Nível Básico e Intermediário
CURSO PRÁTICO DE GUITARRA (1 módulo de Teoria e Pratica de Guitarra com exercícios para você se transformar em uma fera no assunto)
TRANSTON - TRANSPORTADOR DE TONALIDADES (Acompanhado do Manual de utilização do produto).
APOSTILA DE GUITARRA (Técnicas e exercicios de nível intermediário)
CURSO BÁSICO DE HARMONIZAÇÃO (Módulo Apostilado Digital - Nível Intermediário)
ESCALAS E MODOS GREGOS (Módulo de estudos teóricos e práticos com explicações detalhadas sobre as escalas musicais e modos gregos.)
COMO TIRAR MÚSICAS DE OUVIDO (Módulo Apostilado com explicações e dicas básicas)
MODOS GREGOS (Módulo apostilado com explicações e exemplos).
CURSO DE TEORIA MUSICAL (Apostila com explicações passo a passo)
APOSTILA TEÓRICA E PRÁTICA PARA VIOLÃO, GUITARRA, BAIXO, BATERIA E GAITA (Módulo apostilado contendo explicações teóricas e práticas)
APOSTILA DE VIOLÃO - NOÇÕES BÁSICAS (Apostila prática com explicações sobre ritmos, tablaturas, efeitos, acordes e outros assuntos que fazem parte do vocabulário básico de todo instrumentista).
TEORIA MUSICAL PARA INICIANTES (Módulo apostilado com explicações e exercicios)
O BÁSICO DA TEORIA MUSICAL (Apostila com os assuntos que você precisa saber para ler partituras).
PÁGINAS PARA EXERCÍCIOS E ANOTAÇÕES MUSICAIS (Vários modelos com tablaturas, partituras e acordes em branco para o aluno imprimir e utilizar em exercicios e anotações)
2000 TABLATURAS PARA EXERCICIOS 
VÍDEO AULAS SELECIONADAS (ÁREA VIP)
57 AULAS GRAVADAS COM EXPLICAÇÕES PASSO A PASSO
AFINADORES (2 Afinadores virtuais para você afinar o seu instrumento, utilizando o seu PC) 
LIVRO DE REPERTÓRIO MUSICAL
METRÔNOMO VIRTUAL 
DICIONÁRIO DE ACORDES
EDITOR DE TABLATURAS
EXERCÍCIOS MUSICAIS CIFRADOS
SENHA DO SUPORTE PROFESSOR ON-LINE
SENHA DO FÓRUM ÁREA VIP ARTMAIA
CARTEIRA DE ESTUDANTE
CERTIFICADO DE CONCLUSÃO
  Nossos alunos recebem também uma senha de acesso a exclusiva ÁREA VIP ARTMAIA, onde disponibilizamos um grande material de apoio aos estudos, como vídeos, exercícios, etc..

Veja abaixo o programa de aulas do curso:
O Principiante / O violão / A Guitarra / As cordas / O agudo e o grave / A mão direita / A mão esquerda / Exercícios / Escalas e notas musicais / Acordes / Cifras / O tom maior e o tom menor / Anatomia do Violão / Cuidados com o instrumento/ A postura / Técnicas da mão esquerda/ A palheta/ Como usar a palheta / Os acordes básicos / Tipos de palhetas/ Exercícios para a mão direita / Exercícios com palheta/ Exercícios para a mão esquerda/ Ritmos/ A Pestana/ Acordes com pestana /Efeitos eletrônicos / Anatomia da guitarra / Os captadores / Afinação / Solos práticos / Os tons e os semitons / localização das notas no braço do instrumento / Conceitos básicos sobre a música/ O acompanhamento/ O sustenido/ O bemol/ A escala diatônica/ A escala cromática/ Os ritmos mais usados/ Seqüências rítmicas/ Os graus da escala/ A teoria dos três acordes/ Tablaturas/ Os acordes na tablatura/ O dedilhado na tablatura/ As dúvidas mais comuns/ Como trocar as cordas/ Como melhorar a ação das cordas/ Escalas/ Entendendo as escalas maiores/ Construindo as escalas maiores/ Cromatismo/ Exercícios de cromagem / O mapa das notas/ Como obter notas oitavadas/ Transportando acordes com pestana/ Exercícios de prática de escalas/ A teoria da construção dos acordes/ Músicas cifradas/ Transporte de tonalidade/ Progressão de acordes/ Intervalos/ Classificação e análise dos intervalos/ Intervalos compostos/ Escala menor natural/ Tríades/ estudando a construção de tríades/ Padrões de dedilhados/ Seqüências dedilhadas/ Acordes relativos/ Notas enarmônicas/ Ritmos Brasileiros/ Trocando as cordas da Guitarra/ Técnicas de Solo/ Hammer-on/ Pull off/ Bend/ Slide/ Dicas, exercícios e tablaturas/ Curiosidades musicais/ O tom de uma música/ Os acordes principais de um tom/ Pequeno dicionário de acordes/ Padrões rítmicos/ Dedilhados e levadas/Tríades / Escalas / Campo Harmônico / Harmonização / Inversões / Digitações / Padrões Melódicos / Padrões rítmicos / Princípios de harmonia / Formação de Acordes / Acordes Dissonantes / Estilos musicais / Como tocar Intervalos / Como ler e entender as partituras / Exercícios e Dicas / Variações do bordão / Ritmos e acompanhamento / Técnicas instrumentais / Escalas Pentatônicas / Músicas e Tablaturas / Substituição de Acordes, Improvisos, etc…
Se você não sabe tocar Violão ou Guitarra, ou sabe muito pouco e quer aprender de verdade, através de um curso feito na medida certa para você, venha estudar conosco!O GRUPO ARTMAIA MUSIC, tem 14 anos de existência, com mais de 18.000 alunos cadastrados! Entre hoje mesmo para o maravilhoso mundo da música.



 Para adquirir o CURSO COMPLETO DE VIOLÃO E GUITARRA e começar a estudar ainda hoje, faça agora o seu pedido (Clique aqui) e pague através do Uol- PagSeguro com frete grátis para todo o Brasil. Para a sua comodidade, aceitamos todas as formas de pagamento: Depósito identificado, Boleto, Transferência e Cartão de Crédito, e oferecemos 10% de desconto para pagamentos via depósito bancário.

O Curso de Violão e Guitarra mais completo do Brasil, agora com preço promocional por poucos dias!  




terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Curso de Guitarra Brasil On-line - Técnicas

http://www.artmaiashop.com




  Ligaduras (Legato)

É a ligação de som que aparece entre uma nota fixa e uma nota solta. Também conhecida como legato, é uma técnica amplamente empregada em arranjos e solos. Existem basicamente dois tipos de ligaduras: uma ascendente e outra descendente conhecidas respectivamente como Hammer-on e Pull-of.

a) Hammer-on (h)

Consiste basicamente em tocar uma nota e fazer a outra soar sem auxílio da mão direita. A nota ligada será martelada com um dedo da mão esquerda. Esta nota que vai soar depois da primeira vai estar sempre na mesma corda é em qualquer uma casa acima (ligadura ascendente).

Abaixo temos um exemplo de aplicação de hammer-ons feito sobre uma escala pentatônica.

   e:|--------------------8h10--12-------------------|

   B:|--------------8h10-----------------------------|

   G:|---------7h9-----------------------------------|

   D:|---7h10----------------------------------------|

   A:|-----------------------------------------------|

   E:|-----------------------------------------------|

   Di:   1 4   1 3  2  4  2  4   4

Execução

 

Para executar o trecho acima, siga a digitação da mão esquerda representada por "Di". Toque a nota da corda (D) 7ª casa com o dedo 1, a nota da 10ª casa será obtida através de uma martelada com o dedo 4. A martelada deve ser feita sem soltar o dedo 1 da 7ª casa. Depois temos uma ligadura na corda (G) 7ª casa ligada com a 9ª casa, a martelada agora é feita com
o dedo 3. As outras ligaduras serão executadas da mesma forma.

Representação

Na tablatura acima temos quatro ligaduras do tipo "Hammer-on", representadas pela letra "h". Note que o primeiro número antes do "h" é sempre inferior ao segundo (ligadura para cima).

Em outras formas de representação em tablaturas, encontraremos as ligaduras representadas pelo símbolo (_) entre dois ou mais números. Neste formato não temos indicado o tipo de ligadura (hammer-on ou pull-of).

Abaixo temos outro exemplo de aplicação de hammer-ons feito sobre a escala maior de G.



     e:|--10_12--8_10--7_8--5_7--3_5--2_3_2_0------------|

   B:|-------------------------------------------------|

   G:|-------------------------------------------------|

   D:|-------------------------------------------------|

   A:|-------------------------------------------------|

   E:|-------------------------------------------------|

  
   Di:   1  3  1  3  1 2  1 3  1 3  1 2 1


Analisando o exemplo acima, nota-se no trecho final (2_3_2_0) um conjunto de ligaduras, onde (3_2_0) são descendentes (Pull-of).

b) Pull-of (p)

Pull-off é de certa forma o inverso de um hammer-on, consistem em soltar rapidamente uma nota fazendo com que a mesma soe solta ou apertada em um traste anterior, sem auxílio da mão direita. Esta nota que vai soar solta, vai estar sempre na mesma corda é em qualquer uma casa abaixo (ligadura descendente).



Neste exemplo temos a aplicação de pull-ofs feito sobre uma escala pentatônica.



   e:|---10p8----------------------------------------|

   B:|--------10p8-----------------------------------|

   G:|-------------9p7------7------------------------|

   D:|------------------10---------------------------|

   A:|-----------------------------------------------|

   E:|-----------------------------------------------|

   Di:   4 2  4 2  3 1  4   1

 

Execução


Para executar o trecho acima siga a digitação da mão esquerda representada por "Di". Para executar (10p8) o dedo 2 da mão esquerda deve estar posicionado na 8ª casa, toque a nota da corda (e) 10ª casa (pressionada pelo dedo 4) é puxe soltando a nota com o mesmo dedo. O importante é sempre estar com o dedo da nota anterior posicionado.

Representação


Na tablatura acima temos três ligaduras do tipo "Pull-of", representadas pela letra "p". Note que o número antes do "p" é sempre superior (ligadura para baixo).

No próximo exemplo temos a aplicação de pull-ons feito sobre a escala maior de G.


   e:|--12_10--10_8--8_7--7_5--5_3--3_2_0--------------|

   B:|-------------------------------------------------|

   G:|-------------------------------------------------|

   D:|-------------------------------------------------|

   A:|-------------------------------------------------|

   E:|-------------------------------------------------|

   Di:  3  1   3  1  2 1  3 1  3 1  2 1

Obs: No início é difícil conseguir um som satisfatório das notas marteladas ou puxadas, a técnica de ligaduras exige um bom instrumento, agilidade e treinamento.

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Curso de Guitarra Brasil On-line - A Guitarra

http://www.artmaiashop.com


A guitarra estabeleceu-se durante o século 20 como o mais popular instrumento do mundo. Por ser adaptável, portátil, atrativa e versátil, tem sido usada em um ilimitado número de estilos. É um dos mais práticos instrumentos de cordas, para se tocar tanto solos quanto ritmo. O som da guitarra pode ser ouvido em todos os países de todos os continentes, com uma inigualável diversidade.

Depois de mais de 150 anos, ela mudou radicalmente. De um pequeno instrumento com um som delicado, baixo volume, é agora rica em timbres e dinâmica. Alguns desenhos de guitarra têm se tornado verdadeiros ícones, e ela tornou-se hoje um elemento essencial para a música. Originada na família dos instrumentos de cordas antigos, as primeiras guitarras, apareceram na Itália e na Espanha durante a Renascença, e daí espalhou-se gradativamente pela Europa. A Espanha é o berço da guitarra clássica moderna, que emergiu durante o século 19. Neste período ocorreu também o desenvolvimento das cordas de aço, e o aparecimento de guitarras flat-top e das archtop na América do Norte. Os modelos elétricos foram lançados em 1930 como resultado de experimentos com a amplificação de instrumentos. Durante o século 20 ocorre à popularização da guitarra em todo o mundo, e que coincide com o desenvolvimento das técnicas de gravação.

http://www.artmaiashop.com

Hoje a guitarra é usada em uma grande variedade de formas e estilos de composição, aparecendo desde a música Barroca, passando pelo Jazz, Blues e até o Rock'n Roll. Certos gêneros musicais tem uma associação imediata com a guitarra, em particular o flamenco, o country, o blues, o pop e o rock. Nos últimos 70 anos, a guitarra tornou-se o mais popular instrumento para solos e acompanhamentos, tanto para artistas solos, ou para banda.

No início do século 16, apareceu em um livro uma descrição, que seria para um instrumento chamado vihuela. Os compositores escreviam peças para serem executadas diante da Corte Real e dos membros da Aristocracia. Neste tempo, em muitos países da Europa, a guitarra era usada por músicos profissionais. Era também tocada como fundo para as apresentações teatrais.

Durante o século 18, o uso freqüente do piano e de outros instrumentos de teclas afetaram a popularidade da guitarra. Entretanto, com o desenvolvimento de técnicas, e o surgimento de uma nova geração de virtuosos, levaram ao ressurgimento da guitarra (fim do século 18 e início do 19). O uso de cordas únicas, ao invés de pares de cordas, facilitou a execução, e artistas como Dionísio Aguado, Mauro Giuliani e Fernando Sor, produziram músicas repletas de virtuosismo.

Durante o século 19, a guitarra tornou-se mais popular, com vários métodos de execução, e com um grande repertório. Francisco Tarrega foi uma figura chave tanto como executor como professor. Neste tempo, novos instrumentos foram desenvolvidos por Antonio de Torres, que levaram a guitarra a um novo nível. Tarrega influenciou uma escola de artistas que fundaram a música clássica como conhecemos hoje. A música Flamenca da Espanha, ganhou destaque durante este século. Na América a guitarra tinha um importante lugar tanto na tradição clássica quanto no folk. E na América do Norte, o blues, começou a desenvolver-se nos estados sulinos.

No século 20, Andrés Segóvia, Ramón Montoya e Robert Johnson foram quem ajudou a estabelecer a força do instrumento nos mais diversos estilos musicais. A guitarra também faz parte da música country, popular nos anos 30. Também começou a substituir o banjo no Jazz.

A guitarra foi um dos primeiros instrumentos a se adaptar com sucesso a amplificação. A guitarra elétrica foi pioneira no jazz, pelas mãos de Charlie Christian nos anos 30. Depois da 2.ª guerra mundial, o interesse pela guitarra aumentou, e uma nova geração de virtuosos apareceu. Nos anos 50 e 60, a guitarra começou a tornar-se moda em todo o mundo, em vários campos da música.

 http://www.artmaiashop.com

A diversidade de estilos requer uma grande diversidade de técnicas de execução para a guitarra. As guitarras para música clássica e flamenco, usam cordas de nylon e são tocadas com os dedos, enquanto que as guitarras que usam cordas de aço, são normalmente tocadas com palhetas. Guitarras elétricas têm uma técnica muito extensa de mão direita e mão esquerda. Hoje se estima que exista mais de 50 milhões de guitarristas no mundo. Devido a grande número de possibilidades, e ao grande número de guitarristas, as técnicas de guitarra são muito pessoais, e são diversos os artistas que lançam seus métodos.

Vale lembrar que a história da guitarra se confunde com a própria história do Rock N' Roll, porque no mesmo tempo em que inventaram a distorção (efeito de pedal composto por um gerador que transforma o sinal emitido pelo instrumento, saturando-o antes que seja amplificado) o rock foi criado e a guitarra se tornou popular porque foi o instrumento que melhor se encaixava nas amplificações.

Quem nunca dedilhou uma guitarra imaginária? Foi este fascínio que gerou tantos admiradores e estrelas da guitarra como Jimi Hendrix o maior de todos.
A guitarra é relativamente o instrumento mais recente que existe no Planeta Terra e sua história ainda está sendo construída.

Charlie Christian jamais teria acreditado se alguém lhe falasse em 1939 que meio século depois já teríamos á disposição guitarras sintetizadas a sistemas MIDI, que transmitem o sinal do instrumento através de um raio de luz infravermelha ou até que haveria vários efeitos para a guitarra, feitos apenas por um pedal que possui centenas desses efeitos.

 http://www.artmaiashop.com

Ao longo de sua evolução, durante mais de meio século de existência, a guitarra elétrica assumiu significados tão diversos quanto ás possibilidades musicais abertas por esse único instrumento que pode valer por vários outros.
A guitarra no começo foi apenas um instrumento acompanhante como qualquer outro, mas já no começo se tornou o instrumento principal no Jazz e no Blues e além disso se tornou o estandarte maior do Rock N' Roll.

A origem da guitarra vem de por volta de 1920, o violão já era extremamente popular nos Estados Unidos, principalmente em músicos negros e bandas de Jazz, onde apresentava apenas o ritmo das músicas que nem dava muita diferença na música pois a amplificação da época era tão ruim que ficava atrás das barulhentas turbas. Foi assim que surgiram novas idéias para a amplificação de guitarras. Assim surgiu a descoberta do captador magnético feito por Beauchamp que foi um sucesso, pois ele foi o primeiro a pensar em amplificar a partir da freqüência das vibrações das cordas. Essa invenção foi um sucesso e mostrando o poder de amplificação que se podia ter da guitarra.

Logo após que a a Spanish foi lançada no mercado uma outra empresa - a Rowe-De Armond Company - começou a produção de guitarras com captadores em escala industrial. Essa guitarra foi a Gibson ES-150 que foi a primeira guitarra colocada a disposição de qualquer pessoa. Ela tinha um formato muito inovador para época e ainda possuía um potente captador acoplado ao tampo por intermédio de parafusos e molas, que permitia regular a sua distância em relação ás cordas.

A guitarra teve algumas outras evoluções depois com a invenção da Gibson Les Paul que é a melhor guitarra que existe até hoje, a alavanca que faz conseguir vários outros sons da guitarra e a Fender Stratocaster feita por Leo Fender que a guitarra preferida por vários guitarristas, pois ela é o modelo mais leve e simples que existe até hoje.